XV Seminário Gaúcho do Cooperativismo

Esse Seminário é histórico, pois ocorreu no ano escolhido pela ONU para homenagear o sistema cooperativista. A ONU reconhece que esse sistema foi extremamente importante para o equilíbrio social mundial e será de grande relevância para o futuro, considerando que, onde existem cooperativas atuantes, o padrão sócio econômico e a qualidade de vida da população são superiores ao das demais regiões.

O programa do evento teve como foco, os 7 princípios do cooperativismo, os quais foram estudados em grupos, que se uniram para responder três questões: 1. Qual a importância do princípio para o sistema cooperativista? 2. Quais as dificuldades para colocar o princípio em prática? 3. Sugestões para colocar o princípio em prática nas cooperativas.

As palestras que ancoraram os estudos sobre os princípios foram:

  1. Princípios Éticos e Doutrinários do Cooperativismo – Dr. Ernildo Stein, o qual destacou os três mal-estares dos tempos pós-modernos: a) Preocupação com o individualismo; b) Desencantamento do mundo – Perda da capacidade de olhar para o outro, cada um vale pelo que produz, a as pessoas são substituídas pelas máquinas (razão instrumental); c) Medo da Perda da liberdade – As pessoas estão se tornando vítimas da “compulsão pelo trabalho” perdendo, com isso, sua liberdade e os valores mais humanos.
  2. Perspectivas e cenários econômicos – Mailson da Nóbrega, o qual, após analisar os cenários econômicos e políticos dos países da União Europeia, dos EUA e do Brasil, concluiu que não há riscos eminentes de desequilíbrio no Brasil e que o nosso país está bem preparado caso elas ocorram.
  3. História da Legislação Cooperativista – Dante Cracogna, conceituado jurista, defensor do cooperativismo, fez um retrospecto a respeito da evolução da legislação cooperativista mundial. Segundo ele, as primeiras cooperativas surgiram como movimento espontâneo diante de crises no mercado de trabalho e se fundamentaram em princípios e não em algum tipo de legislação. A legislação cooperativista acompanhou a evolução do sistema cooperativista na medida em que havia necessidade de regulamentar essas organizações, as tributações de seus negócios e as relações comerciais. A verdadeira cooperativa continua sendo aquela que observa muito mais os princípios e, decorrente dessa observação, também atende a legislação vigente em seu país e/ou estado, eis que, em aplicando no dia a dia da sociedade os princípios do cooperativismo, a cooperativa estará consequentemente cumprindo a lei.

No XV Seminário do Cooperativismo Gaúcho, também foram homenageadas autoridades e empreendedores que se destacaram nos diversos ramos que constituem sistema. O presidente da COOPEEB, Valdir B. Feller, foi agraciado com uma moeda comemorativa ao Ano Internacional do Cooperativismo, cunhada pela casa da moeda, pelos relevantes serviços prestados no Ramo Educacional.

Opções de compartilhamento

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x